quarta-feira, 29 de outubro de 2008

História do Chevrolet Opala Diplomata

Feed do Metal Ômega
Assine o nosso Feed ou receba os artigos por email
categories : , , , ,
technorati: , , , , | 1 comentários »

História do Chevrolet

Opala Diplomata


Carros - Opala DiplomataO Metal Ômega vem por meio deste artigo, publicado pela Revista QUATRO RODAS, apresentar-lhe o Opala Diplomata, o carro dos meus sonhos, não somente por isso, mas porque o Opala Diplomata é o melhor, além do primeiro carro fabricado pela GM no Brasil, carro Brasileiro que tivemos, constantemente durante anos e anos, desde a década de 70 até hoje o Opala Diplomata é ícone e admirável por onde passa.


Opala Diplomata - O começo de uma nova era


Carros - Opala Diplomata A linha Chevrolet Opala acabara de receber a mais radical reestilização de sua história, mas a cara nova não era suficiente na estratégia da Chevrolet para seu mais antigo carro de passeio o Opala. Aos faróis e lanternas retangulares se somou uma nova versão topo-de-linha do Chevrolet Opala. O Chevrolet Opala tinha que se esforçar para retornar ao seu status, depois de 11 anos. Era o Chevrolet Opala Diplomata, que suplantava o Chevrolet Opala Comodoro na hierarquia do luxo da linha. Ao longo da década de 80, o Diplomata seria até mais forte que o do Opala, ícone dos anos 70. Sem a concorrência dos Dodge V8, que saíram de linha em 1981, nem do Ford Galaxie e derivados a partir de 1983, o Chevrolet Opala se tornaria o único nacional de luxo a oferecer na época um motor que não fosse de quatro cilindros. Com o fim da versão esportiva SS em 1980, o Chevrolet Opala passou a ser regido pela sofisticação do Diplomata.

Carros - Opala DiplomataDe série, o Chevrolet Opala Diplomata trazia ar-condicionado, direção hidráulica, rádio com toca-fitas, retrovisor do lado do passageiro, frisos de borracha nas laterais e pára-choques. O Chevrolet Opala Diplomata vinha nas versões cupê e sedã.


O Chevrolet Opala Diplomata com o motor 151-S 2.5 de quatro cilindros tinha 96 cv a 4.000 rpm (na nova versão a álcool; o gasolina tinha 90 cv). e torque máximo de 19,0 kgfm a 2.000 rpm, com velocidade máxima de 179,8 km/h e aceleração de 0-100 km/h em 11.8 segundos.

O Chevrolet Opala Diplomata com o motor de 4.1/S 250-S de seis-cilindros (o famoso "seis canecos") tinha 141 cv a 4.000 rpm, no motor a álcool sendo o motor a gasolina de 121 cv, torque de 30,1 kgfm a 2.000 rpm, com velocidade máxima de 213,2 km/h e acelereção de 0-100 km/h em 10,8 segundos.

Você ainda podia pedir teto de vinil, pneus radiais, câmbio automático (no lugar do manual de quatro marchas).


Carros - Opala DiplomataFoi um exemplar como este do Chevrolet Opala Diplomata que QUATRO RODAS testou em maio de 1980. Com motor 151-S, o Opala Diplomata foi de 0 a 100 km/h em 11,02 segundos, mas a velocidade máxima do Opala Diplomata foi de 179 km/h. Os elogios do Opala Diplomata foram para a posição ao volante, a estabilidade e a maciez da suspensão, o isolamento acústico, acabamento e equipamentos como o ar-condicionado, lavador elétrico do pára-brisa e desembaçador traseiro. Mas o Opala Diplomata sofria com o calor do escape, as frenagens de emergência acima de 100 km/h e os engates meio bruscos que o incomodaram. Este Opala Diplomata 1980 é do administrador de empresas Sandro Moisés Maróstica, de Campinas (SP). Trata-se de um sedã com o motor 151-S. Maróstica é apaixonado por aquele ano-modelo do Opala, tanto que já teve três outros Diplomata e um SS. "O Opala Diplomata 1980 é um carro muito raro por ter o novo desenho quadrado e o painel antigo, o que só durou aquele ano, assim como o console com o mesmo revestimento de curvim dos bancos", diz.


Carros - Opala DiplomataNa QUATRO RODAS, o primeiro comparativo do Diplomata se deu também com um 250-S em agosto de 1981, já com um novo painel retangular. O adversário era o recém-lançado Ford Del Rey Ouro. Ficou clara a vantagem do Opala Diplomata em relação ao desempenho do motor com dois cilindros a menos do Ford (213,02 km/h contra 167,637 km/h de máxima). O tranco das trocas de marcha não foi sentido, porém o Ford bebeu menos, 8,68 contra 6,17 km/l.


Carros - Opala DiplomataNa edição de junho de 1983, era a vez de o Alfa Romeo ti4 encarar o Opala Diplomata de quatro cilindros, que já dispunha de câmbio manual de cinco marchas. O texto afirmava que "... o Alfa Romeo ti4 ganha do Opala Diplomata em desempenho, conforto, estabilidade e nível de ruído. E perde em consumo de combustível, embora nenhum deles possa ser considerado econômico. Menos ainda no preço: em maio o Alfa custava Cr$ 10 494 060 e o Diplomata, Cr$ 5 982 980...". A remodelação de 1985 deu ao Opala Diplomata faróis de longo alcance junto aos já existentes, reduzindo o tamanho da grade, faixas laterais que davam prosseguimento aos pára-choques, maçanetas retangulares e falsas saídas de ar nas colunas traseiras. Com o novo motor de seis cilindros a álcool, o Opala Diplomata tinha a disposição 134 cv. No fim do ano chegava a Caravan Diplomata.

Carros - Opala DiplomataPara 1988, a grade trapezoidal do Opala Diplomata diminuiu a área dos faróis de longo alcance e as lanternas eram unidas em uma única peça vermelha que camuflava o bocal do combustível. Como opcionais, no Opala Diplomata havia volante com regulagem de sete posições, temporizador dos vidros elétricos, luz interna direcional, saída de ar-condicionado para o banco traseiro, alarme antifurto e aviso sonoro de faróis ligados e porta aberta em movimento. Aos 213,02 km/h, o Opala Diplomata de seis cilindros ainda era o nacional mais veloz no teste de novembro de 1987. Logo o Opala Diplomata disporia de um câmbio automático ZF alemão de quatro velocidades, usado também por BMW e Jaguar. QUATRO RODAS lhe deu nota 10 em nível de ruído em outro teste. O Opala Diplomata cupê era cancelado.

Carros - Opala DiplomataEm 1990 o quatro-cilindros deixava de ser oferecida para o Opala Diplomata, e o seis cilindros com 121 cv ficava mais econômico, graças em parte ao segundo estágio a vácuo do carburador de corpo duplo. Para 1991, os pára-choques do Opala Diplomata ficavam envolventes, o quebra-vento era eliminado e os retrovisores, embutidos. Os freios do Opala Diplomata eram a disco nas quatro rodas e a direção hidráulica, progressiva. No ano seguinte, a série especial Collectors prenunciava o tão adiado fim do Opala e derivados. Com seu requinte e status, o Opala Diplomata tornou possível que um dos carros nacionais mais típicos dos anos 60 e 70 resistisse até 1992, para só então abrir caminho para o Omega. A sobrevivência do Opala Diplomata - e em grande estilo - é caso a ser estudado em escolas de marketing.

TESTE QUATRO RODAS do Opala Diplomata - MAIO DE 1980

Aceleração 0 a 100 km/h: 10,02 s
Velocidade máxima: 213,02 km/h
Frenagem 80 km/h a 0: 33,86 metros
Consumo: 7,43 km/l (média)
PREÇO ABRIL DE 1980: CR$ 450 000
ATUALIZADO: R$ 96 160,76

FICHA TÉCNICA do Opala Diplomata

Motor: dianteiro, longitudinal, 4 093 cm3, carburador de corpo duplo, a gasolina
Diâmetro x curso: 98,4 x 89,7 mm
Taxa de compressão: 7,5:1
Potência: 141 cv a 4 000 rpm
Torque: 30,8 mkgf a 2 400 rpm
Câmbio: automático de 3 marchas
Carroceria: sedã, 4 portas
Dimensões: comprimento, 474 cm; largura, 177 cm; altura, 139 cm; entreeixos, 267 cm
Peso: 1 308 kg
Pneus: rodas de alumínio, aro de 14 x 6 polegadas; pneus radiais 175 SR 14

Convido a você, leitor, que me proporcionou a isto, a manter o meu Blog, participando diariamente, semanalmente, ou mensalmente; que seja, cada qual com o seu tempo, peço-lhes que mandem, vocês, donos de Opalas, seja ele qual for, desde que esteja em boas condições é claro, fotos do seu carro, com seu nome por favor, o nome do carro se tiver, a velocidade máxima atingida (foto), e tudo relacionado ao Opala.

Faremos um mini clube de Opala para compartilharmos, se tiver vendendo, anuncie também, seja bem vindo (eu quero um :-D) mas seja como for, vamos reunir a galera ok.

Claro, não esqueci de outros carros, isto é apenas um começo, se tudo der certo, vem ainda vídeos dos comerciais do Opala, a história completa (isto exige muito tempo) e etc... Faremos também um concurso: O MELHOR CARRO DO LEITOR, isso mesmo, é você leitor participando mesmo da web 3.0 (se é que posso chamar assim a revolução da web que nuca acaba) mas é isso aí, conto com a sua participação :-).



1 comentários:

eu disse...

Isso sim é carro, saudades! Opala rulez

Postar um comentário


Receba atualização do Metal Ômega por e-mail assinando o Feed ou pelo endereço:
http://feeds2.feedburner.com/Metalomega
Se gostou do artigo comente, se identifique, e deixe teu site/blog caso tenha.
Só faça comentário se tiver ligado com o assunto. Obrigado :-)

COMUNIDADE NO ORKUT:
http://www.orkut.com.br/Main#CommTopics.aspx?cmm=73727597

Formulário de Contato

Contato

Seu Nome :
E-mail :
Assunto :
Mensagem :
Image (case-sensitive):