terça-feira, 7 de outubro de 2008

CONFISSOES DE UM CONSUMIDOR

Feed do Metal Ômega
Assine o nosso Feed ou receba os artigos por email
categories :
technorati: | 0 comentários »


Os efeitos colaterais do touch screen, LCD e plasma

Blog de Fabio Steinberg

Fonte: http://info.abril.com.br/blog/confissoes/20081006_listar.shtml?117125

Ninguém nega que o touch screen é um simpático e amigável avanço da tecnologia em relação a qualquer botão ou tecla existente em um aparelho. Mas como todas as coisas do mundo, há sempre um lado bom e o outro não tão bom assim. O efeito colateral destes toques das pessoas nos apetrechos – iphones, celulares, câmeras fotográficas, notebooks – é o ganho de gordurinhas digitais indesejáveis nas telas. Falando em claro português, fica tudo meio lambuzado e por vezes com uma camada sebosa na tela. Isto sem falar nas marcas auriculares, se é que podemos chamá-las assim, deixadas nos telefones / telas pelos ouvidos. O contágio atingiu também as tevês de plasma e LCD – e ninguém deu até hoje uma explicação decente de onde saem tantas impressões digitais sobre as telas. É como se ninguém tivesse mais nada para fazer em casa que tocar as telas indefesas de suas televisões.

Como a cada reação vem a reação, surgiram duas correntes: a que vê nesta questão um problema, e a que enxerga nesta fraqueza uma oportunidade para novos negócios. Na primeira linha, a problemática, o melhor exemplo vem de pessoas que ressuscitaram a velha ponteira do palm para com ela gentilmente tocar as delicadas telas de suas câmeras, laptops e celulares. Esta categoria sequer admite emprestar seus gadgets, como se tratasse de algo tão pessoal como uma escova de dente. Mas foi no segundo grupo, o voltado para negócios, que surgiram produtos para limpar e proteger as telas. Como o americano Monster Screen Cleaner, um misterioso líquido que pela não tão módica quantia de uns 20 dólares é capaz de manter a tela livre de poeira e gordura. É verdade que pelo preço está incluida uma toalhinha destas que a gente compra por dúzia no camelô. No Brasil, a Sony recomenda o velho Vidrex sem álcool, um nome bem menos pomposo que o congênere americano, mas que promete trazer os mesmos resultados.

Moral da história: mais uma vez a tecnologia prega peças nos humanos. Primeiro veio a invenção. Depois veio a complicação. Depois veio o solucionador de complicação. Mas com certeza o ciclo não se interrompe, e daqui a pouco surgirá um novo fator capaz de movimentar esta máquina de fazer malucos e insatisfeitos. E que apesar fazer sofrer, ao mesmo tempo nos fascina tanto.






0 comentários:

Postar um comentário


Receba atualização do Metal Ômega por e-mail assinando o Feed ou pelo endereço:
http://feeds2.feedburner.com/Metalomega
Se gostou do artigo comente, se identifique, e deixe teu site/blog caso tenha.
Só faça comentário se tiver ligado com o assunto. Obrigado :-)

COMUNIDADE NO ORKUT:
http://www.orkut.com.br/Main#CommTopics.aspx?cmm=73727597

Formulário de Contato

Contato

Seu Nome :
E-mail :
Assunto :
Mensagem :
Image (case-sensitive):